2500 agricultores vão às ruas em três municípios catarinenses

Imprimir
AddThis Social Bookmark Button
foto1

Luta! Esta foi a palavra que marcou o 08 de março, Dia Internacional da Mulher, em Santa Catarina. Mulheres, homens e jovens, totalizando 2500 pessoas, foram às ruas nesta terça-feira para reivindicar seus direitos e mostrar a força da agricultura familiar e camponesa catarinense. O ato foi organizado pela FETRAF-SC e a Via Campesina.Read More

Lideranças sindicais e políticas também participaram dos atos que aconteceram em Lages, São Miguel do Oeste e Chapecó. “Estamos nas ruas para defender o Brasil. Não queremos voltar à época da ditadura, para um tempo em que não tínhamos direito a nada”, disse o coordenador da FETRAF-SC, Alexandre Bergamin.

Delegacia da Mulher de portas fechadas
No município de Chapecó a caminhada iniciou e a primeira manifestação aconteceu em frente à Delegacia de Proteção às Crianças, Adolescentes, Mulheres e Idosos que estava de portas fechadas. “As mulheres que buscam ajuda e que procuram proteção encontram as portas da única delegacia da mulher da região fechadas. Como nos sentiremos seguras desta forma?”, declarou a coordenadora do Sintraf de Coronel Freitas, Adriana Maria Antunes de Souza.

Agricultoras familiares e camponesas coloram, em frente à delegacia, cruzes de madeira com os nomes de mulheres que foram vítimas da violência contra a mulher.

Entrega da pauta de reivindicações

A manifestação tinha por objetivo chamar a atenção dos órgãos públicos e governo Estadual e Federal para as necessidades da agricultura familiar e camponesa. A pauta de reivindicações foi entregue na Secretaria de Desenvolvimento Regional (SDR), Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e Caixa Econômica Federal.

Entre as reivindicações estavam: Valorização das mulheres e da juventude da agricultura familiar e camponesa para o fortalecimento do espaço rural; Promoção de uma política pública de autonomia econômica para a agricultura familiar e camponesa; Políticas públicas para a agricultura familiar e camponesa; Plano de desenvolvimento para a categoria e contrapartida à Política de Habitação Rural.

Na Caixa Econômica Federal a comissão foi recebida e relatou a importância da habitação rural e urbana. “A qualidade de vida das famílias aumenta, assim como também, a auto-estima dos trabalhadores. Por esta razão é necessário que se retome as contratações imediatamente”, salientou Bergamin.

Somente a Cooperhaf e FETRAF-SC possuem mais de mil projetos de habitação rural aguardando liberação junto aos agentes financeiros. Na última semana O Grupo de Trabalho sobre Habitação se reuniu em Brasília e ficou acordado que haverá a contratação de 12 mil unidades habitacionais até junho deste ano pelo programa “Minha Casa Minha Vida 2”,

A FETRAF-SC se prepara para participar da mobilização nacional que acontecerá de 11 a 15 de abril em Brasília e aguarda a confirmação das agendas e reuniões em Florianópolis para discutir a pauta com o governo do Estado.

IMG-20160308-WA0065-1P1100787IMG-20160308-WA0092